Aconteceu em algum dia de 2003…

Estavam os quatro procurando o que fazer naquela noite.  Rodaram pela cidade até pararem em um bar. Era bem escurinho e aconchegante. Clarice reparou os detalhes em vermelho nas paredes, as velas e o olhar fixo de Sofia.
Começaram com uma dose de tequila, e outra, e outra…até que sentiu um calor em sua nuca…Era a respiração de Sofia, quente e ofegante. Ela fingia sussurrar algo em seu ouvido, mal podia acreditar ao vê-la daquele jeito e, eles achando que eram “coisas de meninas”, não percebiam o quanto estavam envolvidas naquele momento. Então, Clarice decidiu ir ao toalete, intencionalmente pois, sabia que Sofia iria atrás dela. Esperou por exatos dez segundos e ela surgiu como uma louca… em ebulição. Clarice não agüentou e se permitiu sentir os lábios, o corpo quente e molhado de suor de Sofia. Sentia suas mãos deslizando o seu corpo, levantando o seu vestido e apertando as suas coxas e foi então que  impediu que ela continuasse e,  quase suplicando, pediu que voltassem à mesa.
Desta vez se sentou de frente pra ela, mas não conseguia evitar o seu olhar. Quando falava, sentia vontade de lhe beijar novamente mas, tinha que se conter.
Clarice foi ficando cada vez mais impaciente, querendo sair dalí, querendo ficar sozinha com Sofia…mas não foi o que aconteceu. Foram para a casa dela , eles foram junto e, o que é pior, decidiram que repousariam por lá. Então, Sofia decidiu ser gentil oferecendo algo para beber. Afim de deixá-los embriagados, sem sentidos. Uma dose…e a mão em sua cintura, duas doses… e os lábios em seu pescoço, três doses…e algumas propostas impossíveis de recusar. Logo perceberam que eles estavam em outro mundo. Mas tão rápido! Foi quando Clarice disse que precisava de um banho e Sofia entregou uma toalha com seu perfume.
Após alguns minutos embaixo da água, Sofia  entra e pergunta se pode ficar ali, observando. Como uma tara, Clarice disse que sim. Mas Sofia não contentou-se em apenas observar e agarrou-se ao corpo dela, beijando e tendo sensações inexplicáveis. Se consumiam como loucas. Sabiam que aquele momento poderia não mais se repetir.
Saíram do banheiro nuas e, ainda com os corpos envolvidos um ao outro,  chegaram ao quarto. A cama parecia pequena para o desejo delas. A voracidade foi diminuindo conforme o clímax se aproximava. Clarice não  agüentando mais, enfim, teve aquela sensação flutuante. Havia se entregado por completo a algo novo. Já que nunca se envolvera com uma mulher.
Ao amanhecer, Clarice decidiu ir embora sem que Sofia notasse, deixando apenas um bilhete que dizia:
“  Estou indo sem me despedir e espero assim eternizar este momento…Passei parte da madrugada a lhe observar dormindo, e esta será a imagem que guardarei de você”.
Ela saiu sem perceber que Sofia a observava e, quando a porta se fechou, uma lágrima escorria no rosto de Clarice junto a um sorriso.
Aquele dia ficou cravado no coração de Sofia. Ela não amava Clarice, mas acreditava que um dia pudesse lhe reencontrar. O que ainda não aconteceu…

 

Post navigation

  3 comments for “Aconteceu em algum dia de 2003…

  1. Luiz Moreira
    17 de dezembro de 2011 at 23:17

    Que coisa hein… Gente, essa Clarice é muito sapequinha! Mas eu não entendi o que aconteceu como outro personagem, já que eles eram 3…Será que o terceiro personagem é um voyer e ficou tudo subjetivo? Parabéns pelo texto e pela variedade em seu repertório.

    • Violet Lility
      17 de dezembro de 2011 at 23:50

      Eram 04…porém dois “inúteis”. Não há um voyer. Sou eu narrando a história que bem conheço…

  2. Mario Leandro
    31 de dezembro de 2011 at 19:27

    Ficou melhor do que eu imaginava ! :D

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *