O que faz sentido pra mim…

Saí com meu pai numa tarde de domingo para bater papo e passarmos algum tempo juntos. Andamos pelo bairro e decidimos parar para uma cervejinha a sombra de uma árvore. Local sossegado e atendimento sutil.
Após alguns minutos, começamos a ouvir uma música que aos poucos foi mesclando com teste de som e microfone. Iria começar um evento de rua com apresentações de bandas locais. Meu pai logo se animou e quando deu-se início um suave reggae, começou a falar sobre sua juventude. Falava com nostalgia nas palavras e no olhar, vi que ele realmente curtiu tudo o que falou e, naquele instante, passei a ter lembranças da minha adolescência. Ele precisou ir embora  e eu, decidi ficar e prestigiar o evento.
Depois daquela conversa me bateu uma vontade imensa de rever alguns amigos e foi então que liguei para um deles. Para minha surpresa ele disse de imediato que me encontraria. Fiquei radiante com o fato de poder passar algum momento com alguém que teve suma importância em minha vida e em vários momentos insanos. Fiquei ansiosa, gélida, me sentindo estranha, afinal de contas, não nos víamos há tempos mas, nunca deixamos de nos falar. Mesmo que demorasse muito para rolar um contato.
Enquanto o aguardava, deparei-me com outro amigo, não menos importante. Para minha surpresa, ele se casou e será pai. Pudemos conversar bastante e fui apresentada á sua esposa. Logo depois chegou outro. Caramba, se fosse combinado não rolaria esse reencontro!!!
Continuei aguardando e, enfim, ele chegou. Demos um puta abraço apertado e iniciamos uma conversa muito íntima e leal, como fazíamos antigamente. Ele me falou de seu casamento e de seu filho e eu sobre a minha vida atual.
Porra! Como nos tornamos adultos! Antes a vida era uma festa, fazíamos planos para o futuro, duvidando um do outro. Éramos fanfarrões! Mas vê-lo tão responsável, pai amável e firme em suas palavras me fez ver o quanto mudamos.
Aproveitamos todo o tempo que tivemos alí e me despedi dele querendo que ficasse um pouco mais.Mas, assim como eu, ele precisava voltar para sua família.
Bem…eu decidi ficar um pouco mais e logo avistei uma amiga com quem estudava. Ela estava lá para espairecer um pouco. Estava preocupada com o pai. Percebi naquele momento que nem todo reencontro seria “flores”. Não mantivemos nenhum assunto triste, muito pelo contrário, engatamos uma deliciosa e divertida conversa. As horas passam rápido nos melhores momentos…e ela disse que precisava ir. Logo me vi sozinha novamente e pude curtir um momento de pensamentos e lembranças. Lembrava de como éramos e pensava em como somos. Muitas coisas mudaram…algumas não. O amor que sinto por eles nunca mudou, ás vezes adormece, mas não muda. Não morre.
Soube nesta semana, que o pai da minha amiga faleceu, e senti sua dor. Quis estar perto, segurando sua mão, lhe abraçando…farei isso quando ela voltar. Percebi que tudo na vida tem sentido, tem valor e que,  o maior sentido da vida  é viver…e  o maior valor dela é o amor que temos e distribuímos.

AMO VOCÊS!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *